[email protected] 30 de December de 2019
linguica sendo enrolada

Existem sérios problemas com o suprimento global de alimentos em todo o mundo. Os fertilizantes que correm para os rios degradam a qualidade da água e criam zonas mortas. Na África Ocidental, onde mais da metade da produção mundial de chocolate está concentrada, o colapso poderá em breve. 

Uma série de questões nutricionais pode surgir em conexão com um aumento de dióxido de carbono na atmosfera, incluindo uma diminuição de proteínas nos alimentos, o que pode exacerbar a desnutrição. E esse é apenas um pequeno número de riscos na cadeia de suprimento de alimentos que já são visíveis.

O futuro da comida parece bastante sombrio. Mas não deveria ser assim. O sistema alimentar pode se tornar parte da solução para os problemas ambientais se fizermos algumas alterações. Além disso, deve ser uma ferramenta de apoio à saúde, bem-estar, dignidade e meios de subsistência, e não vice-versa.

Mas isso não acontecerá sem um repensar radical de nossos sistemas alimentares e padrões de consumo em todo o mundo – especialmente no contexto das grandes cidades. Cruciais aqui são estratégias para alimentar áreas urbanas usando mais recursos locais.

Estamos felizes por quase todo o ano todos os produtos necessários estarem disponíveis para nós. Mas isso está associado a custos muito altos. O transporte aéreo causa quase quatro vezes mais emissões de CO2 do que caminhões e 38 vezes mais que o transporte ferroviário. A biodiversidade e a perda de ecossistemas ameaçam a produção de alimentos, enquanto a agricultura é a principal causa dessa perda. 

Além disso, o uso excessivo de água para agricultura de exportação em áreas com escassez de água pode afetar negativamente os alimentos e meios de subsistência locais – por exemplo, para fornecer um grande número de abacates aos mercados globais.

Se queremos evitar alguns riscos, precisamos repensar de onde vem nossa comida e passar, pelo menos em parte, para produtos mais sazonais, especialmente em termos de frutas, vegetais e aqueles que contêm proteínas.

Podemos fazer isso eliminando sete fatores que exacerbaram e intensificaram desastres ambientais em nossos sistemas alimentares.

1. Modelos de potência

É especialmente importante que o consumo de carne e o excesso de calorias em países com altos níveis de consumo de carne e obesidade sejam reduzidos. Uma diminuição no consumo de carne nessas áreas melhorará o consumo de carne em áreas com produção menos desenvolvida de produtos protéicos. 

Cada estudo global de nutrição e gases de efeito estufa mostra que a redução do consumo de carne é um dos principais fatores para reduzir as emissões de gases do efeito estufa através da mudança de dieta.

2. Prática de produção

Estratégias mais orgânicas e agroecológicas devem ser priorizadas sobre métodos agrícolas altamente industriais. Essas formas de agricultura usam muito menos fertilizantes, o que não é apenas prejudicial à biodiversidade, mas também gera altas emissões.

3. Cadeias de suprimentos

Qualquer cidade requer uma grande quantidade de comida. Por exemplo, para uma cidade com 1 milhão de pessoas, são necessários cerca de 900 milhões de kg de alimentos anualmente. As cidades devem se esforçar para fornecer o volume necessário nas regiões próximas. 

Isso reduzirá a distância do transporte, com o tempo, mudará para a entrega por transporte elétrico, o que reduzirá as emissões de gases de efeito estufa. Além disso, as cidades devem ter a oportunidade de fazer melhor uso da reciclagem de resíduos, criando ciclos de carbono e biogeoquímicos para nutrientes vegetais, como fósforo e nitrogênio. 

Como o fósforo é necessário e não renovável, e a produção de fertilizantes nitrogenados requer grandes quantidades de energia, isso é muito útil.

4. Desperdício de alimentos

Embora as perdas de alimentos ocorram em toda a cadeia de suprimentos, acredita-se que as maiores perdas ocorram no nível do consumidor. Além disso, um grande número de produtos é desperdiçado devido à não conformidade com os padrões de varejo na aparência. Toda a energia necessária para produzir, transportar e processar esses alimentos também é perdida. Esse problema de desperdício de alimentos precisa ser resolvido.

5. Recuperação de custos

É importante garantir a transparência de conseqüências negativas ou custos de produção, como a perda de solo, para que todos os custos sejam levados em consideração e os agricultores recebam reembolso por coisas como seqüestro de carbono no solo, minimizando os custos externos e o baixo consumo de energia, não apenas a produção total, o que ajudará a reduzir os impactos negativos.

6. Futuras fontes de proteína

A idéia de criar insetos e água-viva são apenas alguns exemplos de propostas inovadoras destinadas a diversificar as fontes de proteínas, além da carne e, digamos, da soja. Isso reduziria os níveis de proteína animal no norte global e aumentaria os níveis em grande parte do sul global.

7. Política governamental

Uma parcela muito pequena dos enormes orçamentos agrícolas no norte global é tipicamente gasta em políticas como conservação, pesquisa agroambiental e produção orgânica. 

São necessárias políticas para estimular o desenvolvimento de novos agricultores, o desenvolvimento de mercados e cadeias de suprimentos regionais, a priorização do desenvolvimento de tecnologias apropriadas em menor escala e categorias de preços (incluindo robótica), produção de energia sustentável e pesquisa para minimizar os custos externos e, ao mesmo tempo, manter alta produtividade.

Em geral, é preciso prestar muito mais atenção à sustentabilidade dos sistemas alimentares urbanos do planeta. Se as coisas não mudarem, nossas cadeias de suprimento de alimentos em breve estarão em risco.

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked*