[email protected] 25 de May de 2020
massa de bolo rosa

A tecnologia facilitou a agricultura, mas as políticas governamentais e as mudanças climáticas reduziram os produtos produzidos pelos moradores. Eles temem que os produtos que agora são obrigados a comprar os estejam matando lentamente.

A mortalidade por desnutrição excedeu a taxa de mortalidade por tabagismo no mundo. Os dados mostram que cada quinta morte no mundo em 2017 estava associada a dietas não saudáveis ​​em países pobres e ricos, já que hambúrgueres e refrigerantes estavam substituindo alimentos tradicionais, e o aquecimento planetário contribuiu para uma diminuição na diversidade de culturas cultivadas.

De acordo com um estudo do Instituto Americano de Indicadores de Saúde e Avaliação no âmbito do programa Global Burden of Disease, dietas não saudáveis ​​matam 11 milhões de pessoas por ano, em comparação com 8 milhões em 1990, enquanto o tabagismo mata cerca de 8 milhões por ano.

Ao mesmo tempo, bilhões de pessoas carecem de nutrientes essenciais para a vida. Dados da ONU mostram que a população mundial se tornou mais faminta e mais obesa do que há cinco anos. Especialistas em alimentos e políticas temem que uma escalada na crise alimentar possa levar a conflitos e migração, sem interromper essa tendência.

“Não podemos mais focar apenas na luta contra a fome. Estamos testemunhando a globalização da obesidade”, disse José Graziano da Silva, chefe da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Ponto de inflexão

Jessica Fanzo, professora da Universidade Johns Hopkins e co-presidente do Global Nutrition Report anual, considerado o relatório nutricional mais abrangente do mundo, disse que os hábitos alimentares são “a principal causa de doença, incapacidade e morte”. “Já alcançamos um ponto crítico e são necessárias mudanças em larga escala”, acrescentou. 

Segundo ela, muitas crianças não crescem e não se desenvolvem adequadamente devido à falta de comida e a obesidade global está aumentando.

Após décadas focando em como alimentar uma crescente população planetária, os líderes políticos estão percebendo que a nutrição, e não a fome, é um novo desafio no qual a ênfase muda de fornecer comida suficiente para uma boa nutrição.

Gerda Verburg, secretária geral assistente da ONU e coordenadora do movimento de distribuição de alimentos, disse este ano em um fórum público em Roma que o futuro da comida “não é em calorias … mas em qualidade e variedade”.

Governos, empresas e agências de ajuda humanitária estão agora lutando para quebrar os hábitos alimentares não saudáveis ​​do mundo por meio de legislação, campanhas educacionais, alimentos novos e processados ​​e práticas agrícolas mais ecológicas.

No entanto, o problema permanece enorme – principalmente porque as mudanças climáticas ameaçam reduzir a quantidade e a qualidade das culturas, reduzindo o rendimento das culturas. Pesquisadores em nutrição dizem que os hábitos alimentares ocidentais contêm mais açúcar, sal e gordura do que os alimentos e verduras tradicionais e saudáveis ​​das plantas. Frutas e legumes, recomendados pelos nutricionistas como cruciais para a boa saúde, são produtos caros para muitos. Portanto, o setor agrícola deve desenvolver programas para tornar os alimentos saudáveis ​​acessíveis a todos.

Loucura de fast food

Um estudo recente da Global Burden of Disease descobriu que, em média, apenas 12% da quantidade recomendada de nozes e sementes eram consumidas no mundo, mas elas bebiam 10 vezes mais bebidas açucaradas e consumiam quase o dobro da carne processada. 

A nutrição moderna contribui para um aumento no número de pessoas com sobrepeso e obesidade, bem como um aumento no número de doenças não transmissíveis (DCNT), como acidente vascular cerebral, câncer, diabetes e doenças cardíacas.

Segundo o relatório do Fórum Econômico Mundial e da Universidade de Harvard, o tratamento dessas doenças custará ao mundo mais de US $ 30 trilhões, o que representa cerca de 40% do PIB do mundo moderno, entre 2010 e 2030.

Especialistas alertam que essa situação pode levar a uma diminuição da expectativa de vida, inclusive em países como a Espanha, onde existe uma famosa dieta mediterrânea que os nutricionistas elogiam há muito tempo por estarem cheios de azeite, peixe e alimentos frescos.

Segundo Miguel Марngel Martínez-González, professor de medicina preventiva da Universidade de Navarra em Pamplona, ​​a geração mais jovem abandonou essa dieta tradicional em favor de fast food, incluindo hambúrgueres, refrigerantes e batatas fritas. 

Este se tornou o principal motivo pelo qual atualmente 35% dos adultos espanhóis são obesos e outros 35% estão acima do peso. Segundo ele, grandes empresas de alimentos investiram muito esforço e dinheiro para interromper campanhas e pesquisas públicas destinadas a melhorar a dieta, como confirmam outros cientistas e nutricionistas.

Por exemplo, em 2016, as empresas de bebidas doces gastaram quase US $ 50 milhões em lobby para iniciativas do governo dos EUA para reduzir o consumo de bebidas, disse um grupo de especialistas liderado pela Universidade da Nova Zelândia em Auckland.

Na África, a situação parece particularmente difícil, pois nas próximas décadas uma rápida expansão da economia, população e cidades é esperada. A fome, juntamente com a obesidade e a ênfase nas calorias, juntamente com o aumento da renda e a presença de junk food, pressagiam problemas. Os países asiáticos também estão enfrentando problemas semelhantes.

Mudança climática

Segundo os cientistas, ameaças adicionais à nutrição estão ligadas à incapacidade do mundo de reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) – o principal gás de efeito estufa que aquece o planeta. Segundo a FAO, a agricultura e a silvicultura, assim como outros usos da terra, representam quase um quarto das emissões de gases de efeito estufa.

As emissões atmosféricas de CO2 da queima de combustíveis fósseis, do desmatamento e de outras atividades podem atingir 550 partes por milhão (ppm) até 2050, levando a níveis mais baixos de ferro, zinco e proteína nas principais culturas. Segundo a Organização Meteorológica Mundial, em 2017, a concentração de CO2 atingiu um nível recorde de 405,5 ppm.

Hoje, mais de 2 bilhões de pessoas na Terra são deficientes em micronutrientes. E em 2050, as emissões causarão deficiência de zinco em mais 175 milhões de pessoas e deficiência de proteína em outros 122 milhões de pessoas.O sul e o sudeste da Ásia, a África e o Oriente Médio estão em maior risco.

Por outro lado, temperaturas mais altas podem realmente compensar a perda de nutrientes associada ao aumento dos níveis de CO2, de acordo com um estudo publicado por pesquisadores da Universidade de Illinois e do USDA.

 Este estudo de campo de dois anos de soja mostrou que um aumento de temperatura de cerca de 3 ° C levou a um aumento na quantidade de ferro e zinco na safra. Agora eles estão tentando entender as causas e se a umidade ambiental tem algum papel.

Os cientistas alertam que o aumento da temperatura e as chuvas insustentáveis ​​associadas às mudanças climáticas também irão exacerbar a escassez de água, mudar as relações entre culturas, pragas e patógenos e reduzir o tamanho dos peixes.

Uma revisão global de relatórios históricos de pesquisadores da Universidade de Sydney e da Universidade de Queensland alerta que mais de 40% das espécies de insetos estão ameaçadas de extinção, principalmente por causa de seu habitat em terras agrícolas.

Cientistas liderados pela Escola de Saúde Pública Chan Harvard e pelo Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático na Alemanha introduziram um sistema nutricional para a saúde do planeta e de seus habitantes. É dominado por frutas, vegetais, nozes, sementes e legumes, a maioria dos quais depende de insetos polinizadores.

Ao mesmo tempo, a situação hoje é que, mesmo nos países desenvolvidos, existem muitas pessoas para quem frutas e vegetais são produtos inacessíveis, em parte porque são escassos. É improvável que esta situação mude no futuro próximo.

Se o mundo quer alimentos mais saudáveis, a produção de frutas e vegetais deve ser lucrativa, mas isso é prejudicado pela falta de abastecimento de água, uso da terra e mão-de-obra confiáveis, disse Christopher Barrett, professor da Universidade Cornell, em Nova York. 

Parte do problema são subsídios agrícolas à base de grãos e cereais, que Barrett diz que valem mais de US $ 1 bilhão por dia em países de alta renda.

Segundo nutricionistas e cientistas, embora já exista conhecimento de nutrição adequada para alimentar a população mundial com os alimentos certos sem destruir o planeta, é necessária vontade política e pessoal. 

Uma questão lógica surge: se podemos usar as tecnologias mais sofisticadas para enviar pessoas ao espaço, por que não podemos realizar uma tarefa mais simples, a saber, como nos alimentar e permanecer saudáveis?

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked*